Estácio de Sá traça novas diretrizes em Nova Friburgo


Alexandre Roberto Leite, Diretor da Estácio de Sá

"Desde o último dia 3 de abril, o 'campus' Nova Friburgo da Universidade Estácio de Sá tem novo diretor, o carioca Alexandre Roberto Leite. Animado e cheio de planos, ele prefere não adiantar os projetos que pretende desenvolver, dizendo que 'o mais agradável é a surpresa'. Mas, aos poucos, deixa escapar - com entusiasmo - o que já está sendo realizado e estudado, principalmente com os jovens dos colégios e pessoas da terceira idade. Confira.

A VOZ DA SERRA - Há quanto tempo o senhor está na Estácio?
Alexandre Leite -
Há nove anos. Primeiro gerenciando e depois como diretor. Comecei no campus Armando Lombardi, depois fui para o Akxe, Méier, Nova América, Rebouças e Guadalupe. E aí vim para cá.

AVS - E como está sendo morar em Nova Friburgo?
Alexandre Leite -
Eu já conhecia Friburgo, mas só como passeio. Esta cidade é muito gostosa. Acho que sair do Rio para trabalhar aqui é como ter umas férias remuneradas (risos). Já aluguei um apartamento aqui. Estou acostumado a trabalhar fora e minha família compreende. Mas sábado e domingo estou com eles.

AVS - Quais são seus planos para Nova Friburgo?
Alexandre Leite -
O outro diretor se aposentou e, então, eu vim para implantar uma nova diretriz para a Estácio. Traçar novos planos, novos cursos, novas estruturas, sempre direcionando-os para o objetivo friburguense e para a melhoria do campus e da cidade.

AVS - E quais são esses planos?
Alexandre Leite -
O principal é trabalhar com os jovens dos colégios, com o objetivo de cada um deles e, com essa expectativa, ir adaptando a universidade a esses novos candidatos, criando, inclusive, novos cursos, caso necessário.

AVS - Algum novo curso já em vista?
Alexandre Leite -
Por enquanto, não. Nós vamos implantá-los de acordo com as necessidades desses futuros alunos. Pretendemos fazer eventos em praças, shoppings, para ir sentindo. Queremos trabalhar muito, também, com o público da terceira idade. Vamos, por exemplo, criar atividades de educação física para eles. Apesar de já termos um trabalho desse aqui dentro, queremos incentivar ainda mais. Eu gosto muito de trabalhar com a terceira idade. Hoje se costuma desprezar um pouco os idosos mas, na verdade, o conhecimento está com eles. Quando a gente tem paciência de escutá-los, aprende muitas coisas.

AVS - Alguma outra novidade?
Alexandre Leite -
Este ano vocês vão ter bastante novidades.

AVS - Não dá para adiantar alguma delas? É segredo?
Alexandre Leite -
O mais agradável é a surpresa (risos). Eu não costumo prometer, porque pode acontecer algo no meio do caminho. Mas vamos ter muita coisa interessante para os nossos alunos, professores e comunidade. Inclusive os outros municípios terão grandes novidades.

AVS - Outros municípios?
Alexandre Leite -
Estamos fazendo projetos para trabalhar com as prefeituras vizinhas, para que as pessoas façam o vestibular em suas próprias cidades. Temos vários projetos, como melhoria do estacionamento aqui do campus, inclusive para não dar problemas para os nossos vizinhos. Estou também com o projeto de um ponto de ônibus aqui, com cobertura, para trazer mais conforto para os nossos alunos. Temos vários projetos que vão ser interessantes para a cidade. A Estácio visa também a comunidade, a população em si.

AVS - A região tem capacidade de absorver tantos profissionais que saem anualmente dos cursos universitários?
Alexandre Leite -
Junto com a Prefeitura e o estado, sim. A prefeita está fazendo um bom trabalho no município, está buscando recursos para criar empregos. Temos muitos convênios com a Prefeitura e estamos com um projeto bem interessante, que é realizado por um departamento que procura estágio para os alunos. Além disso, temos outro na manga, que ainda estamos desenvolvendo, e que é para ajudar os nossos alunos a conseguir trabalho.

AVS - Quantos alunos o campus de Friburgo possui?
Alexandre Leite -
Cerca de 3.900 alunos e 11 cursos. Estamos sempre vendo as necessidades das pessoas para criar cursos de extensão e todos os semestres a gente lança cursos gratuitos, de curta duração, para a população, administrados pela gente. A Estácio visa muito a comunidade de Friburgo. E eu vim para cá para atualizar, para criar novos cursos com direcionamento e acompanhamento no crescimento da cidade.

AVS - Há diferenças entre os campus de Friburgo e do Rio de Janeiro?
Alexandre Leite -
O de Nova Friburgo não deixa nada a desejar aos outros. O que você tem aqui, tem lá. Estou padronizando o campus daqui, para que os alunos estudem aqui como se estivessem no Rio, apesar de não haver muita coisa diferente. Vou criar alguns incentivos para os nossos alunos se sentirem à vontade dentro e fora do campus e se orgulharem de estudar numa universidade voltada muito para eles e para os professores. Nós vamos criar também vários cursos para o Instituto Politécnico, direcionados às pessoas que trabalham e querem ter uma formação de terceiro grau técnico. Isso ajuda, inclusive, as nossas empresas e empresários. Desenvolvendo empresas de Friburgo, a gente desenvolve a cidade.

AVS - E quanto aos cursos de graduação?
Alexandre Leite -
Na graduação a gente sempre está atualizando os currículos. Enquanto os cursos do Instituto Politécnico, de dois anos, são para pessoas que geralmente têm uma certa idade e não querem ficar estudando durante quatro anos, a graduação é mais para jovens. Mas tem gente de mais idade que opta por ela também. De qualquer forma, a Estácio está cada vez mais se desenvolvendo e acompanhando o futuro. Está sempre inovando, porque temos que criar para os jovens as oportunidades que eles precisam.

AVS - E por falar em oportunidades e voltando à implantação de novos cursos...
Alexandre Leite -
Alguns empresários daqui falaram comigo sobre a área rural. Vamos estudar. Tudo é um estudo. E aí, se houver viabilidade, nós criamos esses cursos. Tem a área gastronômica também...

AVS - Isso ameniza a saturação do mercado, não é?
Alexandre Leite -
É. Realmente há algumas áreas muito procuradas. Só que, muitas vezes, o jovem diz "eu quero fazer informática" e chega aqui pensando que vai só mexer no computador. Mas só que tem muita matemática e ele é ruim nessa matéria (risos). É por isso que estamos desenvolvendo um projeto para os jovens nos colégios, para eles saberem o que cursar. Eles ficam perdidos. Eles recebem muitas informações, mas queremos mostrar a eles o que é o quê. Queremos encaminhá-los para que eles comecem a vida já sabendo o que realmente vão fazer. Os pais vão gostar. Temos que visar os nossos futuros profissionais.

AVS - Com a sua experiência nos vários campus da Estácio do Rio, tanto da Barra da Tijuca quanto da zona norte, o que o senhor espera de Nova Friburgo?
Alexandre Leite -
Espero poder contribuir cada vez mais com a educação de Friburgo, formar novos profissionais, criar novos cursos, desenvolver e ampliar sempre os nossos horizontes. Sou uma pessoa bem flexível, um diretor moderno. Minha porta está aberta a qualquer um. Apesar de estar sempre muito atarefado, dou sempre um jeitinho de atender as pessoas. Eu vim para fazer um trabalho interessante para a Estácio, trabalhar muito com a Prefeitura, com os órgãos competentes. Não sou um cara político, mas quero trabalhar com todos e agradar a todos. Vim aqui para isso."

5 de maio de 2006

Fonte: A Voz da Serra